Ver é diferente de enxergar

saudadeVer, qualquer um pode, mas enxergar poucos se atrevem. Àqueles cuja visão foi lhes negada, ou furtada por qualquer que seja o motivo enxerga muito mais que supunha. Ver é uma questão física, enxergar demanda mais trabalho.

Durante a minha última semana tive a oportunidade rever muitos pontos da minha iniciante carreira médica, é claro que há ainda um longo caminho e a estrada não é tão simples de se trilhar, mas há de se considerar o caminho árduo de 11 anos e por isso, conferir alguma experiência. O SUS e todas as suas mazelas me deu muito mais do que eu dei a ele, foi pelos corredores do HC que eu senti como o sofrimento é dilacerante e quanto a impotência é pungente, mas principalmente eu entendi ali, nas escoras de ombros cansados o que é ser um ser humano.

Pelos corredores vi muita gente, dentro do consultório eu enxerguei a maioria. Enxergar um paciente é olhar além do que ele mostra, já escrevi em outra oportunidade que o corpo fala mais do que a boca, e a boca diz mais do que o corpo. Por quê? Porque as pessoas sentem e se expressam de forma distinta. Há aqueles que negam o que sentem, há aqueles exageram a dor, há aqueles que sentem dor alguma e há aqueles que entendem a exata medida da dor. Alerta a todos os sinais, o profissional de saúde se torna seu único e zeloso talismã. Recebemos muita energia dentro do consultório, de gente carregada de dor e nos suga as forças como um “dementador”, há aqueles leves, que por um segundo nos faz esquecer o que estamos fazendo ali. Médicos oncologistas sabem do que falo.

Alguns precisam que alguém entenda sua dor, aquela que vai além da física. Estar doente é incapacitante, angustiante e até vergonhoso. Entender, ouvir e se fazer ouvir é um dos grandes desafios do médico hoje, tanto do SUS quanto da rede privada, a falta de tempo, a agenda cheia sempre nos rouba o vínculo que gostaríamos de traçar, o vínculo facilita o tratamento porque ele gera confiança mútua. O laço não feito, criamos uma linha tênue que é aproveitada somente no momento em que seguramos a oportunidade do estreitamento. Aos poucos isso vai fazendo sentido mais para o médico do que para o paciente, eles precisam falar o que sentem, precisam expressar a dor, precisam que você o enxergue não como a ficha da hora, mas como a Dona Maria, Seu João, aquele que uma vez teve uma terrinha e queria voltar a viver no campo quando a vida era mais simples, aquela senhorinha que morre de saudade do netinho que mudou para outra cidade. Falar, falar, falar eis a grande válvula do corpo.

Pequenos gestos transformam todo o contexto da sua consulta médica e a forma como você conduzirá o seu paciente. Na doença (digo, doença de verdade – crônicas, as que demandam tratamento, acompanhamento) somos todos como crianças que anseiam pelo colo milagroso da mãe. Por quê colo de mãe parece aliviar nossas dores? Porque a nossa mãe deixa a gente expressar a dor, falar da dor, chorar a dor. Médico e mães acabam um pouco como ouvintes – não como psicólogos, mas um bom ouvinte, um bom companheiro que não possui verdadeiro dom de cura, mas sabe os meios para consegui-lo. Mães são um grande mistério, são mais impressionantes que a medicina.

Ver além, é também ouvir além, é arrancar confissões do que a gente nem sabia que havia para ser confessado.

Anúncios

2 comentários em “Ver é diferente de enxergar

  1. Nuria Nigri disse:

    Enxergar é ver de verdade. Lindo texto, parabéns!

  2. Lara Serpa disse:

    Esse texto falou bastante comigo, por motivos dos quais não preciso mencionar aqui. Mas a gente banaliza demais nosso olhar, às vezes pagamos alto preço por isso.

    Excelente texto, uma prova do quão profissional dedicado você é, mas mais que isso, esse texto mostra o ser humano sensível que você preserva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s